Mitos e história do alho

1º prémio em concurso

Em tempos ancestrais utilizavam-se tranças de alho para afugentar espíritos malignos. As noivas eram vassouradas com hastes de alho para que ficassem protegidas contra males futuros e gerassem filhos saudáveis.

Os tibetanos têm receitas muito antigas com alho para combater males do estômago e prisão de ventre. Eles esmagavam alho num almofariz de madeira e acrescentavam álcool. Começavam por ingerir uma gota e aumentavam a dose em uma gota por dia até dez dias, depois baixavam a dose na mesma proporção durante outros dez dias.

O alho aparece referenciado em hieróglifos e foi encontrado em túmulos de faraós do antigo Egipto . Diz-se dos trabalhadores que construíram as pirâmides de Keops, há cerca de 5 800 anos, que terão iniciado uma greve quando a sua ração de alho acabou. O alho era cultivado nos jardins suspensos da Babilónia e os romanos tomavam-no antes das batalhas para se fortalecerem. Os soldados mascavam o alho e chamavam-no de "rosa mal cheirosa". Os vikings, para obterem coragem e força, comiam grandes quantidades de alho antes de partirem para as expedições de pilhagem.

Na idade média utilizava-se o alho à volta do pescoço para manter os lobisomens afastados e penduravam-se alhos à entrada das casa para as proteger das forças malignas.

 


"Meus queridos actores, não comam alho nem cebola, para manterem o hálito suave."

William Shakespeare


"Ajo puro y vino crudo, passan el puerto seguro"

"Alho puro e vinho cru, passam o porto seguro"


"Ahh Senhor, que sorte seres rei! De outro modo não haveria nenhum brilho em vós. Vós fedeis como um cadáver!"

Uma das amantes do rei francês Henrique IV, lamentando-se


"Isto não é para o paladar das damas, nem para o dos seus pretendentes"

Elizabete I de Inglaterra


"Não é nenhum exagero dizer que a paz e a felicidade começam, do ponto de vista geográfico, onde se utiliza o alho na cozinha"

Marcel Boulestin, gastrónomo francês


"Podemos esquecer o seu nome. Mas saberemos sempre que passou por aqui"

Publicidade ao alho


"Ele pegou num dente de alho e retirou a sua pele com a unha do polegar. Despiu-a até que ficasse como veio ao mundo, expondo as linhas brancas do seu seio, a sua misteriosa carne. Assim apareceu o alho em toda a sua glória, única, simples, clara e pura"

Medieval


"...Pega agora em alguns dentes de alho, acaricia primeiro esse nobre marfim, aprecia esse irado aroma, deixa então o alho picado unir-se com a cebola e o tomate, até a cebola dourar.
Entretanto coze os caranguejos em vapor, e quando tiverem tenros, junta o seu sabor num molho feito do sumo do oceano e da água clara libertada das cebolas.
Agora falta apenas deixar cair a nata como uma rosa fluida, e sobre fogo lento, deixar o guisado cozinhar: a essência do Chile.
E venham para a mesa os sabores recém casados, do mar e da terra, para que tu nesta refeição conheças o Paraíso..."

Pablo Neruda